Hello,

eu sou o José.

Um anormal que já não se revê nessa bosta de (insistem em chamar) mundo humano.

Um anormal que adora a simplicidade de um gesto, o espontâneo de um sorriso.

Um anormal que ainda sente saudade, que ainda se arrepia com uma voz / com uma vivência, que ainda não consegue ficar indiferente a um caos.

Um anormal que por tudo isto e muito mais, se sente em apuros, assustado e, por tal, enfiado no seu cantinho.

Contudo, sendo um anormal, ainda com tomates para escrever e ou dizer o que sente. De bom e de mau.

… porque se (ainda) acredito é possível!

Necas